sexta-feira, 30 de julho de 2010

Barrichello, 10 anos depois

Faz dez anos, hoje, que Rubens Barrichello entrou para a galeria de vencedores da Fórmula 1. A conturbada corrida de Hockenheim, para quem acompanha automobilismo, consolidou um daqueles momentos que despertam a pergunta “o que você estava fazendo quando Barrichello ganhou a primeira dele?”.

Eu, como praticamente todo mundo que passa os olhos inadvertidamente aqui pelo BLuc, estava vendo a corrida, em meio aos resquícios da minha festa de sábado. Resquícios que incluíam um casal de amigos dormindo no sofá da sala porque nenhum dos dois tinha condições de ir dirigindo para casa, e como só tinha TV na sala não me fiz de rogado, a casa era minha e os pombinhos que fossem embora. Não foram, a TV não os atrapalhou, até que um maluco invadiu a pista, a pista da corrida do Barrichello, e eu armei um salseiro dentro de casa, os amigos acordaram. Já estavam quase sóbrios.

Fato é que o GP da Alemanha de 2000 foi um dos mais interessantes dos meus 22 anos de sapo de automobilismo. O guru Flavio Gomes, que via de regra acha as corridas um saco, também é dessa opinião, conforme escreveu dia desses em sua coluna.

É claro que tudo mudou desde que Barrichello ganhou seu primeiro GP, sobretudo o próprio Barrichello, que de lá para cá viveu praticamente todos os tipos de ambiente de trabalho a que a F1 poderia sujeitá-lo. Esse esporte que escolheu exige personalidade e presença de espírito para lidar com situações. Tivesse dedicado sua carreira ao golfe e não seria envolvido em tantas piadas, cobranças, ofensas.

O automobilismo transforma atletas em ídolos, e ídolos, importem-se com isso ou não, são julgados pela audiência. São aprovados, ou reprovados, e a vida segue seu curso formando heróis e vilões por puro capricho. Rubens assumiu inadvertidamente um fardo que não era seu, quando viu-se, em 1994, como principal nome do país num esporte de tanta projeção quanto a F1. Isso o fez envelhecer quando ainda era bastante jovem.

Agora, do alto dos 38 anos e reconhecidamente amadurecido, é que parece aproveitar os bons frutos de seu ofício. Parece ter aprendido a levar numa boa as coisas da vida e do esporte. O Rubinho que pegava na partida com os sarros que levava nos insossos humorísticos da televisão deu lugar ao Rubens que vai ao próprio programa tirar onda junto com seus integrantes.

Rubens hoje passa a imagem de dedicado pai de família. Em tudo que diz, faz menção ao legado moral que pretende deixar para os filhos – salvo engano cronológico, não existiam Eduardo e Fernando dez anos atrás. Apesar do contato que os meninos têm com as corridas, não força a barra para vê-los pilotos. Deixa a critério dos dois escolher o que vão fazer da vida.

Rubens Gonçalves Barrichello, talvez por mera conveniência, não atenha-se a números para definir seu currículo profissional. Prefere observar, sim, que ninguém fica num ambiente de trabalho como a F1 se não tiver sucesso – e são palavras de quem está lá há 18 anos, um recorde absoluto.

A aposentadoria não costuma fazer parte de suas considerações. A carreira do piloto não deve terminar na F1, e Rubens não esconde de ninguém a vontade de correr no Brasil. Soa mais como curiosidade do que propriamente um planejamento profissional. Para depois de seu último Grande Prêmio na F1, o que o paulistano tem planejado é dedicar-se ainda mais ao instituto filantrópico que mantém em parceria com o amigo de infância Tony Kanaan, também piloto. Rubens, e foi ele mesmo quem o disse, foi bastante ajudado na vida, e pensa em retribuir, a seu modo.

Antes disso, Rubens tem tempo para mais conquistas nas pistas. Principalmente porque seu público parece ter entendido, enfim, que há bons motivos para aplaudi-lo. Como todos, até seus mais ferinos críticos, o aplaudiram naquele 30 de julho de 2000.

Vou na onda de todo mundo que escreve em blogs, embora o meu seja o primo-paupérrimo de qualquer lista, e atiro aqui um clipe sobre a corrida de dez anos atrás. Começa ao som de Colin Hay, depois entra a narração do Galvão Bueno. Foi bem montado, os devidos créditos aparecem do começo ao fim.

16 comentários:

viktor disse...

Rubens é um brasileiro de verdade!! Sempre torço por ele em todas as corridas!!! Parabéns pelo post.. e PARABÉNS RUBINHO!!!

Isidro Sallaberry Pereira disse...

Ainda tem gente que fala mal do Galvão Bueno. É toda a emoção que a gente sente torcendo por um brasileiro que serve de exemplo para todos nós. Tamo contigo Rubinho, acelera irmão.

Anônimo disse...

Rubens. Te admiro. Compreenda nosso povo. Vivem na superficialidade e não conseguem aprofundar pensamentos por si mesmo. Fico feliz pela sua consagração. Para mim, mais vale a dignidade de um homem do que suas conquistas aparentes. As verdadeiras vêm com o tempo. Alexandre Caldas.

Carlos Eduardo disse...

Lembro dessa corrida como se tivesse ocorrido há poucas horas. Fantática corrida do Rubrinho.
A emoção de 10 anos atras aflora e me faz ter orgulho de ser torcedo do Rubens Barrichelo.
Texto e edição de video tb estão de parabens.

Anônimo disse...

Nooossa cara, parabéns de verdade!

Seu post foi do caralhoo e como um grande fã de Barrichelo, me acabei nas lagrimas aqui, principamente vendo o video, dessa corrida tão espetacular, que mostrou toda a coragem e talento de Rubinho!

Parabens mais uma vez ;)

Anônimo disse...

Luciano, parabéns pelo post deu gosto de ler !! Quanto ao vídeo, não me canso de ver !!

[ ]'s
Fuzz

Lucas disse...

Lembro que na época eu tinha 12 anos e chorei muito. Hoje, eu assisto de novo e volto a chorar.

Baita exemplo de, conduta, superação e fé!

Diogo disse...

eu tinha 10 anos nessa inesquecível vitória do Rubinho . E hoje com 20 me orgulho cada vez mais de ser fã dele, e vou ser eternamente.... pelo exemplo de profissional, e de pessoa que ele é . Humilde, Guerreiro, caráter, com certeza um exemplo de pessoa .... pra mim já é um campeão . Go Rubens Barrichello do Brasil !!!!!

Nanda disse...

Amo Rubinho desde os primeiros anos de fórmua1. Não me importo se ele vence ou perde uma corrida. A humildade, o seu caráter e dedicação me comove.Deus abençoe e proteja você, Rubinho.Bjs!!!!

Claudio disse...

é isso Rubinho 10 anos, da primeira vitória no F1. Mas acompanhando sua vida vejo várias vitórias, na sua postura, na sua garra, na vida família. Parabéns...te admiro muito és um guerreiro.

ronanloureiro disse...

Parabéns, Rubens! É impossível não se "RE-emocionar" revendo essas imagens.

Daiana disse...

Me arrepiei!
Sou fã do Rubinho e tenho ORGULHO disso!

Anônimo disse...

Rubinho, você é sinônimo de caráter, perseverança, espírito de liderança, cede de vitória, técnica, muita técnica e profissionalismo no que faz.

Um piloto que ergueu duas equipes pequenas e fez com que ganhassem patrocínio para investir melhor em seus carros e saírem das ultimas posições para disputar com as equipes medianas há uns dez anos.

Um piloto que garantiu ao "Shummy" três títulos mundiais consecutivos, quando estavam na Ferrari.

Um piloto que ganhou uma corrida com pneu de piso SECO, em pleno TEMPORAL, enquanto todos já tinham trocado é sim a excelência do esporte e merece muito estar onde está, com toda adoração e reverência que o mundo do automobilismo, quem acompanha e entende o faz.

Sem dúvidas, o considero um dos maiores nomes da Fórmula 1. Respeitado mundialmente, ou não teria corrido bem como correu na Ferrari e sido acreditado como foi quando contratado pela Honda (infelizmente uma equipe "sem know how" e que investiu onde não devia e NUNCA teve um carro bom).

Hoje está aí, maior número de GPs da história da F1. E se ainda está lá, é por que é bom. Estar no Grid dos melhores do mundo não é para qualquer um, manter-se por dezoito anos sendo querido e respeitado pelos maiores entendedores do esporte. Um piloto fraco não fica nem uma temporada completa nesta categoria.

Ao invés de perguntar ao povo que só conhece futebol, pergunte ao chefe de sua atual equipe o que acha do Rubens. Pelo que sabemos, Frank Williams está muitíssimo satisfeito, e todos na equipe também). Um piloto que tem tido participação ativa no desenvolvimento do novo modelo da Williams, o FW32.

Quanto à primeira vitória, sem dúvidas me encheu de emoção, estava dentro do carro com você, curva a curva. Valeu muito as disputas de posições, freiadas, estratégias, etc.

Merece muito e está ai, o reconhecimento de quem te admira e respeita. Continue trazendo para todos os amantes deste esporte belíssimo, o carisma, a energia infindável que me faz acordar às 02:00, 04:00, 05:00h, etc. Não deixare de envidar esforços para estar em sua torcida.

Parabéns Rubinho, sou seu fã, que Deus te abençoe mais, que permita para 2011 um ótimo momento com a Williams e que sejamos campeões mundiais, é seu momento. #Tamojunto ... #GoRubens ...

Parabéns pela matéria, precisamos valorizar quem é bom!!!

Abraços,
Sergio Bittencourt

Scotton disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Scotton disse...

Luc, EspetaculaRRRR seu post (/Galvão)!
Rubens Barrichello nada mais é que o piloto brasileiro "mais bem sucessedido" atualmente, apesar de não ter sido campeão mundial... se sua saúde ajudar vai continuar na F1 por algum tempo ainda, dando pau no Schumacher e muitos outros pilotos novos, se tiver carro pra isso!!!
Grande abraço e Força ao Rubinho, um campeão de caráter e força de vontade!

Harry Yamamoto disse...

belo post! lembro cada detalhe da corrida! ponto alto foi quando o rubinho não trocou pneus slick pela da chuva!!
rubinho sempre simpático!!